segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Tablets nas escolas

Flávia Maia

     O aparelho chegou recentemente ao mercado e tem conquistado espaço entre educadores e escolas. Em Brasília, não é diferente. Várias unidades de ensino usam o equipamento como ferramenta pedagógica e uma delas, o Sigma, já está exigindo o aparelho na lista de material escolar. Isso porque, a partir do próximo ano, o colégio substituirá os 16 livros didáticos por versões digitais. Outras escolas ainda acham precoce colocar um computador na mão de cada aluno.

     O colégio decidiu apostar em uma tendência mundial, que vê no tablet a modernização das tradicionais aulas movidas a quadro-negro e giz. Na Coreia do Sul, por exemplo, a partir de 2014, o material didático não será mais impresso. Pequenas tiragens serão publicadas apenas para abastecer bibliotecas. Em Taiwan, os livros já foram substituídos por versões digitais. Até mesmo o ato de escrever com uma caneta está ameaçado de desaparecer. Em alguns estados americanos, o ensino da letra cursiva deverá ser opcional a partir de 2011.

     No modelo candango, a princípio, as turmas de 1º ano do ensino médio serão as pioneiras. As demais continuarão com o método tradicional. Apesar de a maioria das correntes de educadores apostar nos tablets como revolução nas ferramentas de ensino, a extinção do livro de papel tem suscitado dúvidas em pais e alunos sobre a real eficiência do novo modelo e o peso da inovação no bolso, além do perigo de assaltos.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Internet na Educação

A Internet como instrumento de educação
      Atualmente as novas tecnologias estão revolucionando o sistema de comunicação entre as pessoas, e não podia ser diferente com a educação, que tem na internet um importante facilitador do aprendizado. De acordo com um estudo realizado pela comScore, o Brasil é o oitavo país a fazer mais uso de tecnologia no ranking dos países emergentes. A liderança ficou com a China, seguida pelos Estados Unidos e Japão. A pesquisa avaliou o grau de conectividade de 10 países do mundo. Uma curiosidade dos países que lideram esse ranking é que, por exemplo, a China possui o número de habitantes inferior ao número de internautas.

      Com a disseminação da internet o acesso à informação se tornou mais globalizado, isto é, hoje pessoas de diversos locais do Brasil e do mundo podem trocar informações e aprender de uma maneira mais interativa. Os cursos via internet acompanham esse avanço tecnológico, pois proporcionam o acesso à informação em tempo real.
      Com todo esse desenvolvimento as escolas de educação a distância (EAD), presentes em diversas cidades do Brasil e do mundo, transformaram a modalidade de estudo em uma das mais comercializadas atualmente, oferecendo cursos via internet para o mercado. "É um material diferenciado se comparado a outros cursos, pois proporciona ao aluno o acesso a diversos instrumentos de aprendizagem", afirma a coordenação de material pedagógico virtual do Instituto Monitor.

      A expectativa para o Brasil é que até o final de 2011 existam muitos cursos técnicos oferecidos pela internet, com a mesma qualidade didática e com direito ao diploma e certificação da modalidade impressa. Os treinamentos corporativos também passarão a ser desenvolvidos em ambiente virtual. "Essa nova forma de aprendizado oferece ao aluno e às empresas uma capacitação qualificada em menos tempo e com um investimento bem menor", afirma Eduardo Alves, diretor de relações com o mercado, do Instituto Monitor.